CONFISSÃO PÚBLICA E NOTA DE REPÚDIO

Foto gentilmente cedida por
agazetabahia.com
Em respeito à população de Eunápolis, que outorgou poderes aos seus representantes constituídos, assumo publicamente a responsabilidade de uma fala contendo uma injúria contra o Prefeito da Cidade e o Promotor Público. Tratou-se, puramente, de uma piada machista e de mau gosto, em tom jocoso, proferida por mim durante uma conversa que imaginei que estaria com meu interlocutor, mas que, infelizmente, por essas ‘trapaças’ da tecnologia, foi parar em um grupo de imprensa e uma pessoa resolveu divulgar o fato, entregando os áudios ao grupo político contrário ao atual Chefe do Poder Executivo.
Confesso minha culpa, mas não o dolo. Peço desculpas à População de Eunápolis por ter excedido os limites da brincadeira contra suas autoridades constituídas. Peço sinceras desculpas às partes atingidas. Em nenhum momento pretendi imputar a essas autoridades a prática de litigância de má-fé ou de atitudes imorais, antiéticas ou ilegais. Até porque, não acredito que a dignidade e a honra das pessoas residem na heterossexualidade. Se assim o fosse, estaria dizendo que homossexuais e ‘trans’ não têm dignidade. O que não foi o caso.
O crime de homofobia, maliciosamente imputado a mim pelo site/palanque “Futucando Notícias”, é ato falho de quem não tem o conhecimento básico sequer para estar editando um veículo de comunicação. Graças à Internet, a mídia tradicional – tanto a imprensa como a radiodifusão – já não possui o monopólio dos meios de disseminação das informações e nem é totalmente responsável pela sua circulação, permitindo assim que pessoas sem qualificação atuem no meio como se fossem jornalistas.
Não pretendo escamotear minha fala com desculpas frívolas. Sou adulta e estou pronta para assumir minha culpa em qualquer instância. A possibilidade de resolver disputas concernentes à honra sob os olhos da Justiça é um dos grandes avanços trazidos pela democracia e um dos pilares do Estado de Direito.
Reitero que não tive a intenção de publicizar tal comentário. E não é porque sou uma criatura boazinha. E sim porque sou uma criatura lógica. Quem, em sã consciência, entraria deliberadamente em duplo litígio contra o Ministério Público Estadual e o Chefe do Poder Executivo da cidade? Repito, foi um comentário machista e sem a intenção clara de ofender a dignidade das pessoas. Trata-se de uma frase que frequentemente os homens usam contra as mulheres. E nunca acontece nada porque a sociedade não considera as mulheres seres relevantes.
Os áudios viralizaram na internet e ganharam destaque em um site/palanque não por trazer conteúdo de interesse ou relevância pública, mas apenas com a intenção de depreciar minha imagem e abalar a estrutura da atual Administração Pública.
Acreditem: a pessoa que vazou os áudios e os sites/palanques que publicizaram minha fala não estão preocupados com o bem estar da população. Antes mesmo, estão insatisfeitos com a derrota nas urnas. É só buscar saber a quem servem esses senhores e o que fizeram seus chefes, em Eunápolis e em Porto Seguro.
Queriam a minha cabeça. Já o têm, mas não sabem o que fazer com ela. São risíveis esses senhores, eles sim, verdadeiros marionetes, quando dizem que fui manipulada ou que eu teria repetindo a narrativa a mando do atual Prefeito. Quem me conhece, até mesmo muito pouco, sabe que não sigo regras nem roteiros de chefes. Igualmente, não pretendo minimizar a minha culpa alegando que recebi orientação de outrem para proferir o comentário jocoso contido nos áudios.
Sim, errei. Embora sem intenção. Peço desculpas ao Povo de Eunápolis; ao Promotor Público, Dinalmari Messias, extensivo aos servidores do Ministério Público; ao Prefeito Robério Oliveira, e aos servidores municipais; à minha família e aos meus amigos, às famílias dos que foram expostos ao constrangimento gratuito. E, finalmente, aos meus colegas de imprensa pelo fato de, indireta e involuntariamente, macular com minha conduta a atividade profissional já tão abalada aqui e alhures, pelo comportamento de pseudos profissionais.
Sempre respeitei a todos estes segmentos no meu exercício profissional e por causa disso enfrento este triste episódio com a autoestima extremamente abalada. Agradeço, contudo, o carinho e a solidariedade de amigos, colegas, familiares e leitores que por todos os meios enviam-me dezenas de mensagens de solidariedade e me ajudam a atravessar esta lamentável situação. Creiam, jamais esperei ser tão querida. Isso me estimula a levantar e continuar, sabendo que deixo o serviço público sem outra mácula que não esta, de falar palavrões e porventura ofender alguém com comentário jocoso.
No entanto, dizer que errei; reconhecer meu erro, não anula as consequências do ato. Por conta disso, nesta terça-feira, dia 31 de julho, comuniquei ao Superintendente de Comunicação da Prefeitura de Eunápolis, Adriano Martins, meu desejo de ser exonerada, a fim de preservar a imagem do serviço público, usada indevidamente pelo site/palanque. No entanto, fui surpreendida antes com uma Nota de Repúdio do Prefeito e a publicação da minha exoneração sem chance de me retratar diante dos meus colegas. Reconheço que o Prefeito agiu plenamente dentro dos limites de seus direitos ao, sentindo-se atingindo, repudiar meu comportamento, por outro lado, também reconheço o sagrado direito de defesa garantido em todos os sistemas jurídicos democráticos do planeta.
Rechaço o tratamento deselegante da administração pública de Eunápolis e o fato de não ter me oferecido a oportunidade de sair do cargo com alguma dignidade. Sei do meu erro e do constrangimento que causei, no entanto, tenho a clara certeza que crime maior é de quem publicizou os áudios. E, para comprovar esta tese é que já constitui advogado estando sinceramente decidida a ingressar na justiça, até as últimas consequências, para provar que não houve dolo nem intenção de ofensa. Essa sim, ocorrendo por conta de quem tornou o fato público com o intuito de me jogar ao escárnio popular e abalar minha sobrevivência.
De resto, como jornalista que valoriza o Estado de Direito e as regras básicas de civilidade reitero minhas desculpas sinceras. Espero aprender com este fato lamentável.
Para concluir, aproveito esses novos ventos da transparência para desejar, humildemente, que esta indignação do Chefe do Poder Executivo possa influenciar toda a administração pública de Eunápolis, para que também puna, exemplarmente, todos os demais servidores que, diferentemente de mim, realmente cometeram e cometem ilícitos graves e que atentam contra o serviço público como é de conhecimento de toda a sociedade eunapolitana.
Só assim este triste episódio poderá servir para que todos nós possamos aprender com nossos próprios erros.
Rose Marie Galvão Santos
Jornalista

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.