Antes de se filiar ao Patriota, Bolsonaro já sinaliza desembarque

Deputado deve anunciar que não vai mais disputar a Presidência pelo partido e mantém conversas com outras legendas
O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) deve anunciar até o dia 5 de janeiro que não será mais pré-candidato a presidente pelo PEN/Patriota. A decisão foi tomada ontem em reunião com o chamado núcleo duro da campanha de Bolsonaro, em Brasília. Deputados e correligionários dizem que o presidente da sigla, Adilson Barroso, não teria cumprido com a sua palavra de ceder o controle do partido em Estados-chave para o grupo do parlamentar.
 O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) durante evento realizado pela Revista Veja em novembro, em São Paulo Foto: Hélvio Romero/Estadão
Conforme a Coluna do Estadão adiantou, o deputado já iniciou conversas com o PSL/Livres e o PR. A decisão final sobre o ingresso a uma nova sigla só deve ser tomada em março.
Procurado pela reportagem, Bolsonaro não se manifestou sobre o assunto. Em entrevista ao site Crítica Nacional, que tem apoiado abertamente a candidatura do parlamentar, o deputado disse que “estava noivo do Patriota, mas voltou à situação de namoro”. “O projeto não foi sepultado, mas recuamos bastante”, afirmou.
Entrevista de Bolsonaro ao 'Estado' com elogios a Chávez mobiliza militância
A posição ainda não é oficial porque faltam alguns acertos com membros da executiva do PEN/Patriota no Rio – colocados lá pelo próprio Bolsonaro. Fontes próximas ao deputado falam em 90% de chances do “projeto Patriota ser abortado”. A insatisfação teria como principal ponto a promessa não cumprida de Barroso em ceder o controle da legenda em alguns Estados-chave, como Minas Gerais. Por outro lado, o grupo mais ligado a Barroso no partido diz que vazamento sobre a “saída” é uma tática na disputa pelo controle dos espaços que hoje estão sendo “requisitados pelo grupo de Bolsonaro”. 
Policiais federais deflagram 'Operação Eleições'
Compromisso. O deputado não é oficialmente filiado ao PEN/Patriota. De saída de seu atual partido, o PSC, o presidenciável apenas assinou um compromisso de filiação para o mês de março. Entretanto, as conversas de Bolsonaro com outras legendas nunca foram interrompidas. A questão é que as duas opções, PR e PSL/Livres, colocadas na mesa pelo próprio Bolsonaro, não parecem muito dispostas a fechar uma parceria. No PR, a hipótese de Bolsonaro é tratada como “boato”. Já o PSL/Livres confirma que foi procurado pelo pré-candidato, mas diz que “o projeto dele seria incompatível com o Livres”. 
Política dá o tom do cinema no ano que vem
O presidente do PEN/Patriota, Adilson Barroso, se mostrou irritado e disse não acreditar que essa fosse uma decisão vinda do próprio Bolsonaro, mas, de pessoas do entorno do deputado. “Ele ainda não me ligou para comunicar nada. Se isso acontecer, eu digo que não entendo a mente dele”, afirmou Barroso. “Tudo o que foi pedido eu cedi. Mudei até o nome do partido e cheguei a perder 80% da minha base por ele”, disse.(Estadão)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.