Governo de Porto Rico vai revisar número de mortos pelo furacão Maria

De acordo com o 'New York Times', a revisão vai envolver entrevistas com familiares e com os médicos que assinaram o atestado de morte dos pacientes.
O furacão Maria passou por Porto Rico e provocou destruição (Foto: Ricardo Arduengo/AFP)
O jornal americano "New York Times" afirmou, nesta segunda-feira (18), que o governo de Porto Rico ordenou uma "recontagem e revisão" no número de mortos pelo furacão Maria, que assolou a localidade em setembro deste ano.
De acordo com dados oficiais divulgados pelo governo, o total de mortos foi de 64 pessoas. Uma contagem independente conduzida pelo jornal americano, no entanto, aponta que 1.052 morreram em consequência da tempestade.
A diferença, segundo o "New York Times", se dá pelo método empregado por cada instituição. No caso do jornal - e de outros meios de comunicação que também conduziram contagens independentes - são consideradas mortes causadas, por exemplo, por conta da falta de estrutura que foi motivada pela passagem do Maria.
De acordo com o jornal, a revisão vai envolver entrevistas com familiares e com os médicos que assinaram o atestado de morte dos pacientes.
Uma pessoa que tenha morrido por ataque cardíaco, por exemplo, pode entrar na lista de mortes causadas pelo Maria caso o ataque tenha sido causado por stress relacionado ao fenômeno natural ou ainda caso o socorro tenha levado muito tempo a chegar por conta de estradas em más condições após a passagem do Maria por Porto Rico.
Ricardo Rossello, o governador de Porto Rico, reconheceu as reportagens a respeito de um saldo de vítimas maior e disse que as autoridades querem a contagem mais precisa possível.
"É por isso que ordenei que o Cartório Demográfico de Porto Rico e o Departamento de Segurança Pública conduzam uma revisão e uma inspeção minuciosas de todas as mortes que ocorreram desde que o furacão Maria passou, independentemente do que o certificado de mortes diz", afirmou Rosello.
"Sempre acreditamos que o número de mortes relacionadas ao furacão aumentaria à medida que recebêssemos mais informações factuais – não boatos – , e esta revisão permitirá que contemos todos corretamente."
Porto Rico vem lutando para se reerguer desde que o furacão Maria o atingiu no dia 20 de setembro na condição de tempestade mais forte a assolar a ilha em nove décadas. Cerca de 30% da ilha ainda está sem eletricidade e 500 pessoas continuam em abrigos três meses mais tarde, segundo o governo local. A tempestade cortou a energia e a telefonia celular, derrubou árvores, destruiu 230 mil casas e danificou outras 400 mil. (G1)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.