Ministro da Cultura peruano renuncia após indulto a Fujimori

Desde que anunciou perdão a antecessor, presidente do país, Pedro Pablo Kuczynski, vê diversos membros do seu governo pedirem demissão.
O ministro da Cultura do Peru, Salvador del Solar, anunciou nesta quarta-feira (27) sua renúncia, depois dos protestos pelo indulto concedido pelo presidente do país, Pedro Pablo Kuczynski, ao ex-presidente Alberto Fujimori.
Em sua conta no Twitter, Del Solar informou que entregou o cargo e agradeceu a Kuczynski por ter "dado a oportunidade de servir ao país".
Nas últimas horas, o também ator e diretor tinha recebido inumeráveis pedidos de ativistas de direitos humanos e artistas para que deixasse o governo, para ser coerente com sua defesa dos valores democráticos e de justiça.
Manifestantes são impedidos pela polícia de fazer ato em frente a hospital onde Alberto Fujimori se encontra internado, em Lima no Peru (Foto: Guadalupe Pardo/Reuters)
O presidente peruano é acusado de ter concedido perdão ao antecessor como parte de um acordo para evitar que seu impeachment fosse aprovado pelo Congresso, com grande bancada fujimorista.
Diversos protestos foram realizados no país contra a decisão desde seu anúncio, no dia 24, a ponto de Kuczynski ir à TV para defender sua posição.
Desembarque em série
Além da renúncia do ministro, outras pessoas ligadas ao governo deixaram seus cargos ou passaram para a oposição nas últimas horas.
O diretor-geral de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Roger Rodríguez, o secretário técnico da Comissão Multisetorial de Alto Nível sobre Paz, Reparação e Reconciliação (CMAN), Daniel Sánchez, assim como a responsável pelo Programa de Reparações Simbólicas dessa comissão, Katherine Valenzuela, o assessor presidencial ad honorem, Máximo San Román, e o presidente-executivo do Instituto Nacional de Rádio e Televisão, Hugo Coya, reunciaram após a medida que favoreceu Fujimori.
Além disso, os parlamentares Alberto de Belaúnde e Vicente Zeballos deixaram a bancada governista no Congresso em protesto contra o indulto.
Kuczynski deve empossar nesta quarta o novo ministro do Interior, que substitui Carlos Basombrío, que renunciou na semana passada após as denúncias de supostos vínculos do presidente com a construtora Odebrecht.
Fujimori foi condenado em 2007 a seis anos de prisão por suborno durante seu mandato, mas teve a pena aumentada para 25 anos por desrespeito aos direitos humanos no mesmo período. A Justiça considerou que o ex-presidente autorizou a atuação de esquadrões da morte. Em vídeo divulgado após o indulto, o ex-líder pediu perdão aos peruanos. (G1)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.