Oposição venezuelana promete candidato único para enfrentar Maduro na eleição de 2018

Principais grupos iniciaram consultas para primárias. Eleição presidencial está marcada para o final de 2018.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em foto de 17 de outubro (Foto: AP Foto/Ariana Cubillos)
A aliança opositora venezuelana, atualmente afetada por divisões internas, se comprometeu, nesta sexta-feira (29), a escolher um candidato único para a eleição presidencial de 2018, na qual Nicolás Maduro aspirará à reeleição.
"Nos comprometemos a reforçar nossa unidade (...) e procederemos à escolha de um candidato unitário", indicou um comunicado da coalizão de partidos Mesa de la Unidad Democrática (MUD) com motivo do fim do ano.
A MUD não especificou qual será o mecanismo utilizado para eleger o rival de Maduro, mas no último 12 de dezembro o deputado opositor Luis Florido afirmou que os principais grupos iniciaram consultas para ir a primárias.
As divisões na MUD se aprofundaram após a vitória do chavismo nas eleições de governadores do último 15 de outubro, nas que a coalizão denunciou uma "fraude".
Também em consequência da negativa dos maiores grupos políticos de apresentarem candidatos nas eleições de prefeitos de 10 de dezembro, nas quais o governo também obteve vitória.
Estas fissuras refletem nas negociações empreendidas com o governo de Maduro na República Dominicana.
No entanto, no comunicado desta sexta-feira a MUD indicou que continuará "explorando vias de negociação com respaldo internacional".
Setores da oposição consideram esses diálogos uma "traição" após os protestos que exigiam a saída do presidente socialista do poder, com saldo de 125 mortos entre abril e julho deste ano.
A eleição presidencial está marcada para o final de 2018, mas líderes opositores e analistas preveem que esta pode ser antecipada para o primeiro trimestre do ano.
"Maduro vai insistir na estratégia de adiantar o máximo possível a eleição presidencial para evitar que a oposição se reagrupe", disse o especialista Eugenio Martínez à AFP. (G1)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.