Tribunal nega recurso da defesa, e pena de Genu na Lava Jato é mantida

Ex-tesoureiro do Partido Progressista (PP) havia sido condenado por Sérgio Moro a 8 anos e 8 meses de prisão e teve pena aumentada para 9 anos e 4 meses na segunda instância. Defesa vai recorrer ao STJ e STF.
João Claudio Genu, ex-tesoureiro do Partido Progressista (PP), em foto de setembro de 2005 (Foto: Joedson Alves/Estadão Conteúdo)
A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, negou por unanimidade recurso da defesa do ex-tesoureiro do Partido Progressista (PP) João Claudio Genu. Com isso, a pena dele segue mantida em 9 anos e 4 meses por corrupção passiva e associação criminosa em processo da Lava Jato.
Em dezembro de 2016, ele havia sido condenado a 8 anos e 8 meses de prisão pelo juiz federal Sérgio Moro, em primeira instância. A segunda instância aumentou a pena em outubro deste ano.
Os votos dos três desembargadores da Turma ainda não foram disponibilizados. O resultado publicado no processo é da última quarta-feira (13), e diz que "a Turma, por unanimidade, decidiu negar provimento aos embargos de declaração, nos termos do voto do relator."
"Com isso estamos aptos a promover os recursos para o STJ e STF. Recurso buscando absolvição", informou o advogado Marlus Arns ao G1 nesta sexta-feira (15).
Apesar da acusação de receber R$ 3,12 milhões de propina, desviados da Diretoria de Abastecimento da Petrobras, o ex-tesoureiro do PP está em liberdade desde 25 de abril, após uma decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele chegou a ser preso em maio de 2016, na 29ª etapa da Operação Lava Jato, mas passou menos de um ano na cadeia.
Sobre a denúncia
Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato afirmaram que Genu era beneficiário e um dos articuladores do esquema de desvio de recursos da petrolífera, recebendo um percentual fixo da propina recolhida ao PP a partir de contratos da estatal.
Como provas, o Ministério Público Federal (MPF) apresentou planilhas de propina, depoimentos de diversos colaboradores, e-mails e conversas pelo aplicativo WhatsApp que demonstram, no entendimento dos procuradores, a ingerência de Genu no esquema criminoso da petrolífera.
A denúncia aponta que, entre 2007 e 2012, o grupo de pessoas ligadas ao PP, incluindo Genu, solicitou para si propina de R$ 357.945.680.52 entre 2007 e 2012. Foi desse montante que os R$ 3,12 milhões destinados ao ex-tesoureiro saíram.
Ainda conforme o MPF, o doleiro Alberto Youssef também utilizava a estrutura de lavagem de dinheiro montada no Posto da Torre, em Brasília, para o envio de propina.
Para ocultar o dinheiro ilegal recebido, os procuradores do MPF afirmam que Genu deu dinheiro em espécie para que a esposa comprasse joias no valor de R$ 134 mil em uma loja de Brasília, entre 2013 e 2014. As joias não foram declaradas pelo casal à Receita Federal. A aquisição de joias foi citada por Moro na solicitação de prisão preventiva, decretada em maio de 2016, durante a 29ª etapa da Lava Jato.
Além da condenação de Moro na Lava Jato, antes, em 2012, Genu foi condenado pelo próprio STF a quatro anos de prisão por lavagem de dinheiro dentro do julgamento do Mensalão, mas foi absolvido em 2014 pela própria Corte no julgamento de um recurso. (G1)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.