Polícia Militar encerra greve no Rio Grande do Norte

Greve de policiais militares começou dia 19 de dezembro. Governo se comprometeu a não abrir nenhum processo administrativo ou motivar qualquer sanção à categoria.
Policiais Militares votaram pelo retorno às ruas, no Rio Grande do Norte, após acordo com o governo do estado (Foto: Michelle Rincon/Inter TV Cabugi)
A Polícia Militar do Rio Grande do Norte encerrou nesta quarta-feira (10) a greve iniciada em 19 de dezembro. Foram 23 dias sem policiais militares nas ruas. Na terça (9), a Polícia Civil já havia anunciado o fim da paralisação. Dentre outras coisas, o governo se comprometeu a não abrir nenhum processo administrativo ou motivar qualquer sanção à categoria e ainda a pagar os salários de dezembro no dia 12 de janeiro para todos os servidores da segurança.
Ainda na terça, a PM anunciou que acatou a proposta do governo para encerrar a greve, mas aguardava a formalização da proposta em um documento que só foi concluído nesta quarta. O fim da greve foi votado em assembleia após o governo assinar este documento.
Conforme Dalchem Viana, representante da associações de policiais e bombeiros, os militares voltam ao serviço ainda nesta quarta-feira (10), utilizando porém, viaturas em condições de uso. "Conforme o estado for dando condições, os policiais estarão nas ruas", declarou.
Segundo a assessoria da Polícia Militar, a expectativa é que de que o patrulhamento já esteja normalizado até a noite. Novas viaturas foram entregues nos batalhões da capital e um total de 50 serão disponibilizadas até a próxima sexta-feira (12).
Polícia Militar do RN fez nova assembleia nesta quarta (10) para definir rumos da greve (Foto: Michelle Rincon/Inter TV Cabugi)
O governo garantiu não abrir nenhum processo administrativo ou motivar qualquer sanção à categoria e ainda a retirar as ações judiciais impetradas nos plantões; garantiu o pagamento integral do salário de dezembro aos ativos, reservistas e pensionistas no dia 12 de janeiro (PMs, bombeiros, policiais civis, Itep e agentes penitenciários); a disponibilização de verbas federais para investimento em infraestrutura (aporte de R$ 100 milhões); o aumento do vale alimentação de R$ 10 para R$ 20. Além disso, o Governo se comprometeu com a chegada de 59 novas viaturas para os batalhões da Polícia Militar com recursos do Banco Mundial.
"Os policiais militares decidiram encerrar o movimento em respeito à população do Rio Grande do Norte que mesmo sofrendo com a falta de policiamento nos apoiou", disse o presidente da Associação de Cabos e Soldados da PM, Roberto Campos.
O governador se reuniu com os deputados estaduais nesta terça e convocou uma sessão extraordinária para votação de 19 projetos de lei que fazem parte de um pacote fiscal denominado "RN Urgente", que foi enviado pelo governo como parte das soluções apontadas para a crise financeira estadual.
Greve
Os policiais reivindicavam o pagamento dos salários e melhores condições de trabalho. Dentre as dificuldades apontadas pelos PMs, estão a precariedade das viaturas, falta de munições e coletes à prova de balas vencidos. No dia 4 de janeiro, os policiais militares entregaram um documento com 18 reivindicações ao comando da Polícia Militar e ao governo do estado.
No dia 6 de janeiro, o governador decretou calamidade na Segurança Pública. Segundo ele, o decreto iria facilitar a compra de equipamentos que melhorem as condições de trabalho dos policiais.
Duirante a greve, a onda de violência aumentou no estado, principalmente na capital. Foram registrados vários roubos e arrombamentos.
A Força Nacional foi acionada e 100 homens foram enviados ao RN. Além disso, o governo federal enviou, no dia 30 de dezembro, 2,8 mil homens das Forças Armadas para reforçarem o patrulhamento das ruas. A permanência das Forças Armadas no RN termina dia 12 de janeiro. (G1)
Forças Armadas estão no RN desde o dia 30 de dezembro reforçando o patrulhamento (Foto: Reprodução/GloboNews)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.