A capital mais violenta do Brasil

Chacinas em Fortaleza e na cadeia de Itapajé exibem selvageria crescente das facções criminosas no Ceará e escancaram crise de segurança pública
REPRESSÃO Presos são transferidos após a morte de dez detentos em Itapajé: disputa de facções
O ano começou de forma violenta no Ceará. Primeiro foi a chacina na danceteria Forró do Gago, no bairro Cajazeiras, em Fortaleza, que deixou 14 mortos na madrugada do sábado 27. Entre as vítimas, oito mulheres, duas delas menores de idade.Dois dias depois, dez detentos foram assassinados dentro da cadeia de Itapajé, a 120 quilômetros da capital, em mais um capítulo trágico do conflito entre facções criminosas que disputam o poder dentro e fora do presídio. A sequência de 24 homicídios em tão curto espaço de tempo gerou um alerta sobre o caos na segurança pública cearense. Por terem acontecido de forma concentrada, eles parecem pontos fora da curva. Não são. Em janeiro, o estado que concentra algumas das mais requisitadas atrações turísticas do Nordeste registrou uma média diária de 15 mortes por dia, Os dados são da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social. Outro levantamento aponta que a capital, Fortaleza, é disparada a mais violenta do País, com 78,1 assassinatos para cada 100 mil habitantes, segundo o mais recente Atlas da Violência divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão ligado ao Ministério do Planejamento. Os números revelam que o crime organizado atua de forma maciça, invadindo fóruns, assaltando bancos e carros-fortes, fechando o comércio, determinando toques de recolher e fazendo vítimas indefesas em uma população que começa a viver sob tensão permanente.PÂNICO A violência acua os cearenses: em janeiro, houve em média 15 homicídios por dia (Crédito:Mateus Dantas)
A epidemia de violência urbana e prisional vem se alastrando desde a última década no Ceará. Em 2017, o estado registrou 5134 homicídios, contra 3408 no ano anterior – um aumento de 50%. A julgar pelo sangrento janeiro de 2018, as estatísticas de criminalidade serão novamente superadas: o mês teve 30% mais assassinatos que no mesmo período do ano passado. “Os investimentos do governo não têm surtido os efeitos desejados e faltam medidas mais pungentes de segurança pública”, afirma o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE), Marcelo Mota, “Não é só a questão de uma chacina na periferia ou em um presídio superlotado, mas a perda de controle sobre a situação. Os bandidos estão vencendo”.
Estado paralelo
Na semana passada, o governo cearense entrou em um jogo de empurra-empurra para dividir sua responsabilidade pela ocorrência das matanças indiscriminadas. Ao tratar do massacre de Cajazeiras, o governador Camilo Santana (PT) declarou que o governo federal é o responsável direto pelo combate às ações do crime organizado e que o estado sofre as consequências da falta de controle sobre o tráfico de armas e de drogas nas fronteiras do País. Disse também que os quadros da PM cearense foram engrossados com 9 mil novos policiais desde o início do seu governo, em 2015. Carlos Marun (PMDB-MS), ministro da Secretaria de Governo, retrucou o governador. Ele considera absurda a transferência de responsabilidade para o governo federal. Embora sofra com a migração recente do crime organizado para seu território, o Ceará enfrenta outros problemas específicos, como a superlotação dos seus presídios — dois terços da sua população carcerária são presos provisórios — e outras distorções no seu sistema penitenciário. Há cerca de 550 presos instalados nas delegacias do estado.
A causa principal do disparo nos números de homicídios no Ceará é uma disputa entre facções criminosas que se acentuou desde o ano passado. Existe hoje um centro de poder nos presídios que comanda a guerra do lado de fora ­— como um estado paralelo. Segundo o sociólogo César Barreira, coordenador do laboratório de estudos da Violência (Lev) da Universidade Federal do Ceará, há dois grupos consolidados, o Comando Vermelho e o PCC e dois outros que tentam ocupar espaço e ganhar força — Guardiões do Estado e Família do Norte. “Há uma disputa de poder entre as facções e também algumas disputas internas e realinhamentos de interesses”, afirma. Ele explica que tanto a Guardiães do Estado como a Família do Norte ainda são organizações instáveis, em que não existe hierarquia bem definida nem disciplina e têm uma composição muito jovem.
Disso deriva, em parte, a selvageria desses grupos. As investigações indicam que membros dos Guardiões do Estado em conflito com o Comando Vermelho protagonizaram tanto a chacina de Cajazeiras, quando saíram atirando a esmo pelas ruas, como a de Itapajé, que aconteceu no início do banho de sol no presídio, momento em que havia apenas um agente penitenciário trabalhando. “A briga por territórios de venda de drogas e armas atinge toda a região metropolitana e está indefinida”, afirma Barreira.(ISTOÉ)
Jarbas Oliveira

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.