Em Mianmar, budistas mataram rohingyas e queimaram suas casas

Moradores budistas que consideram a minoria muçulmana como imigrantes indesejáveis de Bangladesh assumiram as mortes ocorridas em setembro
Dez muçulmanos rohingya são vistos ajoelhados e com mãos amarradas ao lado de membros das Forças de Segurança de Mianmar, em Inn Din - 02/09/2017 (Divulgação/Reuters)
Amarrados juntos, dez cativos rohingyas viram seus vizinhos budistas cavarem uma vala. Pouco depois, na manhã de 2 de setembro, todos os dez estavam mortos. Ao menos dois deles morreram decapitados por moradores budistas, e os outros foram baleados por soldados, segundo relataram dois daqueles que abriram a vala.
As mortes marcaram mais um episódio da violência que assola o Estado de Rakhine, no norte de Mianmar. Os rohingyas acusam o Exército de cometer incêndios criminosos, estupros e assassinatos. A Organização das Nações Unidas (ONU) disse que o Exército pode ter cometido genocídio. Mianmar diz que sua “operação de libertação” é uma resposta legítima a ataques de insurgentes.
Os rohingyas afirmam estar presentes em Rakhine há séculos, mas grande parte dos habitantes do país de maioria budista os considera imigrantes muçulmanos indesejáveis de Bangladesh. O Exército se refere aos rohingyas como “bengalis”, e a maioria não tem cidadania.
Nos últimos anos o governo confinou mais de 100.000 rohingyas em campos onde têm acesso limitado à alimentação, remédios e educação. Desde agosto, quase 690.000 deles fugiram de seus vilarejos e cruzaram a fronteira com Bangladesh.
A Reuters apurou o que aconteceu nos dias que antecederam o massacre em Inn Din, amparando-se pela primeira vez em entrevistas feitas com moradores budistas que confessaram ter incendiado casas de rohingyas, enterrado corpos e matado muçulmanos.
Esta foi a primeira vez em que soldados e policiais paramilitares foram implicados por testemunhos de agentes de segurança. Três fotos, fornecidas à Reuters por um ancião budista de um vilarejo, flagraram momentos cruciais, da detenção de homens rohingyas por parte de soldados no início da noite de 1º de setembro à sua execução pouco depois das 10h do dia seguinte.
A investigação da Reuters levou autoridades policiais a prenderem dois dos repórteres da agência, Wa Lone e Kyaw Soe Oo, em 12 de dezembro, por supostamente terem obtido documentos confidenciais relacionados à Rakhine. No dia 10 de janeiro os militares emitiram um comunicado que confirmou parte do que a Reuters estava se preparando para relatar, admitindo que 10 homens rohingyas foram massacrados em Inn Din.
Mas a versão dos militares para o acontecimento é refutada em aspectos importantes por relatos fornecidos à agência por budistas de Rakhine e testemunhas rohingyas. (veja)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.