BARROSO TRAVA GUERRA DE COMUNICAÇÃO COM O PLANALTO NO INQUÉRITO CONTRA TEMER

MINISTRO DO STF ANULA CADA BOA NOTÍCIA PARA TEMER, NO INQUÉRITO
NO MESMO INQUÉRITO, BARROSO MANDOU INVESTIGAR DOIS SUPOSTOS VAZAMENTOS POSITIVOS PARA TEMER.
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), parece travar uma guerra de comunicação contra o Palácio do Planalto. Ao determinar a investigação de suposto vazamento de sua decisão de quebrar o sigilo bancário do presidente Michel Temer, Barroso neutraliza a repercussão positiva da reação do governo à própria quebra de sigilo, quando o chefe do Poder Executivo prometeu expor publicamente a sua movimentação bancária, numa tentativa de demonstrar destemor diante da medida.
Barroso tem demonstrado zelo pouco comum pelo inquérito do qual é relator e que investiga a edição de um decreto que teria beneficiado uma empresa chamada Rodrimar. O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) chegou a comparar a acusação a um “assassinato sem cadáver”, na medida em que o decreto não beneficia a tal empresa, que atua no Porto de Santos (SP). A dianteira obtida pelo Planalto, nessa batalha da guerra de comunicação, acabou revertida com a investigação da suspeita de “vazamento”.
Antes, a divulgação pela agência de notícias Reuters de que o palpite do então diretor-geral da Polícia Federal Fernando Segóvia era de que Temer seria inocentado nesse inquérito, o que parecia num primeiro momento um aval importante ao presidente acabou anulado pela reação de Barroso, interpelando publicamente o delegado. O desgaste provocado pelo episódio acabou custando o cargo de Segóvia.
Outra notícia positiva para o governo foi anulada quando o atento ministro Barroso determinou a investigação de suposto vazamento de parecer da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, discordando do pedido de quebra de sigilo bancário do presidente Temer, formulado pelo delegado federal que conduz o inquérito. Exatamente essa quebra de sigilo cujo suposto vazamento Barroso agora quer a Polícia Federal investigando.
Numa outra demonstração de que mantém um olho nos autos e outros na guerra de comunicação, o ministro Barroso deixou claro, ao determinar os dois vazamentos, que a medida não envolvia o vazamento da informação para jornalistas.
Barroso presta muita atenção no clamor das mídias. Recentemente, durante um dos seus bate-bocas com o ministro Gilmar Mendes, Barroso citou imagens que viu na televisão para sustentar seus argumentos no processo em discussão. "Eu vi na TV a corridinha do homem da mala!", exclamou ele, irritado com Mendes, numa demonstração que os autos já não não necessariamente as únicas fontes de convicção de magistrados. (DP)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.