EDITORIAL FOLHA DE S.PAULO - Marcha insensata

Nos EUA, vai se desfazendo a crença de que o desenvolvimento chinês resultaria em abertura política
Os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, em novembro de 2017 - Nicolas Asfouri/AFP
Os Estados Unidos deram novo passo na escalada de tensões no comércio global. Depois de elevar as tarifas de importação de aço e alumínio, o presidente Donald Trump decidiu impor sanções sobre até US$ 60 bilhões em compras anuais de produtos da China.
A razão alegada são violações de propriedade intelectual em setores considerados sensíveis para a segurança nacional americana.
Na visão dos EUA, o gigante asiático adota práticas desleais para obter segredos tecnológicos de empresas estrangeiras, como preço de entrada no mercado local.
Espera-se que as restrições recaiam sobre itens de alta tecnologia, segmento em que os chineses começam a desafiar a primazia ocidental: maquinário de precisão, equipamento aeronáutico, inteligência artificial, telecomunicações, biotecnologia, entre outros.
Não por acaso, vários deles constam do plano "Made in China 2025", que detalha a estratégia do governo de Xi Jinping em busca de protagonismo global.
Para todo o mundo, o perigo é uma espiral de retaliações. No âmbito estritamente comercial, a nação emergente tem mais a perder, ao menos de imediato.
Ela exporta aos EUA o equivalente a 4% de seu Produto Interno Bruto, contra apenas 1% do PIB do lado inverso. No comércio bilateral, o déficit americano é de cerca de US$ 375 bilhões ao ano.
Mas Pequim dispõe de outras armas na disputa, como a possibilidade de dificultar a ação de empresas americanas em seu território. Pode ainda abalar o mercado financeiro com a venda de títulos da dívida do rival, seu devedor.
Por ora, contudo, a reação foi moderada. Apesar da retórica contundente, o governo chinês anunciou que poderá impor sanções sobre não mais de US$ 3 bilhões em produtos americanos.
Divulgou também que não deseja um conflito aberto e que admite rever algumas normas para acesso a seu mercado.
A postura se mostra pragmática, dada a importância de manter os canais restantes de negócios com os EUA e, sobretudo, com os demais parceiros. Tudo indica, entretanto, que a competição entre as duas potências continuará.
Do lado americano, histrionismo de Trump à parte, vai se desfazendo a crença de que o desenvolvimento chinês resultaria em abertura política. A China, por seu turno, pode retroceder na aderência às regras do multilateralismo erguidas pelo Ocidente.
Os riscos são crescentes, portanto, ainda que não haja guerra comercial formalmente declarada.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.