IMPORTAÇÃO PREDATÓRIA DE ETANOL PREJUDICA O PAÍS

ÁLCOOL IMPORTADO À BASE DE MILHO DANIFICA MOTORES E A ECONOMIA
COMPRA DE ETANOL À BASE DE MILHO TRAZ DE VOLTA PROBLEMAS ANTIGOS
Os distribuidores de combustíveis inundam o Brasil de etanol importado dos Estados Unidos, produto à base de milho considerado “podre” por ser de má qualidade e mais poluente. Além de comprometer reservas cambiais e não derrubar o preço ao consumidor, esse álcool deve fazer reaparecerem problemas da importação nos anos 1990, depois proibida por danos causados à segurança do sistema de suprimento. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Os americanos exportam para o Brasil o álcool que seu consumidor rejeita. Aqui, deve abastecer os veículos nacionais com motor flex.
Alega-se que a importação de etanol podre é para “ocupar” os tanques ociosos com a redução de outras importações. Mas a história é outra.
A importação predatória no auge da produção de etanol no Nordeste tem o objetivo, suspeita a indústria, de inviabilizar o etanol nacional.
O lobby dos distribuidores obteve do governo Dilma a redução de 20% para zero da alíquota de importação de etanol poluente dos EUA.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.