Mãe e jogador de poker morrem após palpite errado em jogo

Mãe sofreu um AVC após saber que filho tinha sido assassinado após dar palpite errado no Poker. Foto: Átila Aberti/Arquivo.
Um palpite num jogo de poker acabou em uma tragédia familiar no final da madrugada desta sexta-feira (16), na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Segundo a polícia, o dono do bar onde o jogo acontecia matou Ariel Romão Ribeiro, de 38 anos, que teria dado o palpite que acabou dando errado. Ao saber da morte do filho, Maria Ribeiro, de 76, teve um AVC e também morreu.
Conforme o investigador Henrique Lima, do 11º Distrito Policial (DP), Ariel passou a madrugada num bar, com um grupo de amigos que jogava poker. Em uma das apostas, que valia R$ 1 mil, o homem ajudou um dos participantes com um palpite, mas a dica que ele deu foi falha.
“Como o palpite deu errado, o jogador perdeu tudo e se revoltou. Eles se uniram contra Ariel e o espancaram, mas deixaram que ele fosse embora para a casa”, contou o investigador. O homem, bem machucado, chegou em casa no final da madrugada.
Algumas horas depois, não se sabe por qual motivo, o dono do bar onde o jogo aconteceu provocou a tragédia. “Ele foi até a casa de Ariel e atirou várias vezes contra o homem, na frente da filha dele e de uma outra pessoa, que também estava no bar durante o jogo”.
Ariel levou um tiro na cabeça e quatro no peito. A família ainda tentou socorrê-lo e ele chegou vivo na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Fazendinha, mas não resistiu.
A mãe de Ariel, ao saber que o filho tinha sido assassinado, passou mal. “Ela teve um AVC e não deu tempo sequer de ser atendida por um médico. Infelizmente, morreu pela dor que sentiu ao saber que perderia o filho”, comentou o investigador.
Investigações
O dono do bar fugiu, mas a Polícia Civil já sabe que seu primeiro nome é Mathias. “Estamos identificando ele oficialmente, mas junto disso já temos equipes na rua, atrás desse homem. Assim que o identificarmos oficialmente, vamos pedir também a prisão preventiva dele”.
Segundo Henrique Lima, é questão de tempo para que o dono do bar seja encontrado. A polícia ainda está avaliando os detalhes do crime, mas o assassino pode responder até mesmo pela morte da mãe da vítima. “Porque afinal de contas foi ele que provocou isso tudo”, explicou o investigador. Denúncias podem ser passadas pelo telefone (41) 3212-5900.
(tribunapr)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.