Morre aos 75 anos cientista britânico John Sulston, Nobel por seu estudo do genoma

Em 2002, Sulston recebeu o Nobel junto ao colega britânico Sydney Brenner e ao americano Robert Horvitz, em reconhecimento por suas descobertas para o estudo do genoma.
John Sulston, em imagem de arquivo de fevereiro de 2001 (Foto: Adam Butler / Arquivo / AP Photo)
O cientista britânico John Sulston, que ganhou um prêmio Nobel de Medicina por sua contribuição ao estudo do genoma humano, morreu aos 75 anos, informou nesta sexta-feira (9) o instituto fundado pelo acadêmico.
Mike Stratton, diretor do Instituto Wellcome Sanger, descreveu o acadêmico, que morreu na terça (6) passada, como um "grande homem de ciências e líder visionário".
Em 2002, Sulston recebeu o Nobel junto a seu colega britânico Sydney Brenner e ao americano Robert Horvitz, em reconhecimento por suas descobertas para o estudo do genoma.
Utilizando um verme - o Caenorhabditis elegans - os cientistas conseguiram desvendar parte do mecanismo mediante o qual os genes regulam a morte programada das células, um processo vital para se entender o câncer.
Sulston era conhecido por liderar a contribuição do Reino Unido a um projeto internacional para mapear o genoma humano e por sua insistência em levar os dados ao domínio público.
"Sua dedicação ao livre acesso à informação científica foi a base do movimento para o livre acesso e ajudou a garantir que o genoma humano de referência fosse publicado de maneira aberta para o benefício de toda a humanidade", destacou Jeremy Farrar, diretor do Wellcome.
Sulston fundou o centro Sanger, situado na região de Cambridge, em 1992, que dirigiu até 2000. Hoje a instituição é uma das mais importantes do mundo consagradas à pesquisa sobre o genoma humano. (G1)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.