Polícia confirma que necropsia de Muggiati foi fraudada

Médico-legista do IML teria emitido laudo de necrópsia falso. Servidor foi afastado de suas funções no órgão
Foto: Reprodução
A Polícia Civil confirmou, na tarde desta quinta-feira (12), que o médico-legista Daniel Colman, que atua no Instituto Médico-Legal (IML) de Curitiba, realizou falsa perícia no corpo da fisiculturista Renata Muggiati, assassinada pelo namorado, o médico Raphael Suss Marques, em setembro de 2015. Com isso, ele poderá ser demitido de seu cargo público.
Pouco depois da morte da esportista, os laudos sobre a morte se contradiziam. Enquanto outros exames diziam que ela tinha sido assassinada, pois ela já estaria morta quando foi jogada pela janela de seu apartamento, no Centro de Curitiba, o laudo de necropsia, feito por Colman, dizia que ela tinha cometido suicídio, ou seja, que morreu quando caiu no solo.
Diante do conflito e da dúvida, se havia ocorrido um homicídio ou um suicídio, um procedimento de investigação do laudo foi aberto. E a conclusão, conforme a Polícia Civil, é que Daniel realizou uma falsa perícia em Renata. Não se descarta que o médico possa ter recebido alguma vantagem financeira para emitir o documento com informações falsas. A polícia não deu maiores detalhes, porque o caso tramita em segredo de Justiça.
Diante da confirmação da Polícia Civil, a direção da Polícia Científica afastou o servidor de suas funções no IML. Além do inquérito, um procedimento administrativo disciplinar foi aberto na época e os trabalhos foram concluídos recomendando a demissão do servidor. O procedimento foi encaminhado à Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp) e está no setor jurídico, para análise e parecer. Caso o jurídico acolha a recomendação de demissão, o procedimento será remetido à governadora Cida Borguetti, para última análise.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.