Coreia do Norte suspende conversas com Seul marcadas para quarta-feira

Governo de Kim Jong-un também colocou em dúvida realização de reunião com presidente americano Donald Trump
Líder norte-coreano, Kim Jong-Un fala durante reunião na Peace House em Panmunjom - 27/04/2018 (Korea Summit Press Pool/Getty Images)
A Coreia do Norte anunciou a suspensão das conversas de alto nível com aCoreia do Sul previstas para quarta-feira 15 em razão de exercícios militares conjuntos de sul-coreanos e americanos. Para Pyongyang, essas manobras militares vão contra a tendência de melhoria nas relações entre Norte e Sul.
A decisão da Coreia do Norte também põe em risco o encontro entre Kim Jong-un e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, marcado para 12 de junho em Singapura.
A reunião de quarta entre as Coreias tinha como objetivo discutir planos para implementar uma declaração entre os líderes norte e sul-coreanos após a cúpula histórica em 27 de abril. A declaração incluía a promessa de encerrar formalmente a Guerra da Coreia e buscar a “desnuclearização completa”, informou o Ministério de Unificação da Coreia do Sul nesta terça-feira.
A Agência Coreana Central de Notícias, da Coreia do Norte, chamou de “provocação” os exercícios militares conjuntos de Estados Unidos e Coreia do Sul e disse que Pyongyang não tem escolha a não ser suspender as negociações.
“Esse exercício contra nós, que está sendo realizado na Coreia do Sul, é um desafio flagrante à Declaração de Panmunjom e uma provocação militar intencional que vai contra os desenvolvimentos políticos positivos na península coreana”, disse a KCNA.
“Os EUA também terão de ter deliberações cuidadosas sobre o destino da cúpula prevista entre Coreia do Norte e EUA à luz desse provocativo tumulto militar conduzido em conjunto com as autoridades sul-coreanas.”
Segundo a agência Reuters, o Departamento de Estado dos Estados Unidos afirma não ter recebido nenhuma informação sobre as ameaças norte-coreanas de cancelar a reunião entre Trump e Kim Jong-un e ainda mantém o planejamento para a cúpula.
“Kim Jong-un havia dito anteriormente que ele entende a necessidade e a utilidade dos Estados Unidos e da República da Coreia continuarem em seus exercícios conjuntos”, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, logo após o anúncio norte-coreano. “Continuaremos em frente e estamos planejando o encontro entre o presidente Trump e Kim Jong-un”, afirmou ela.
Nos exercícios militares, que começaram na sexta-feira passada e durarão duas semanas, participa uma centena de aviões, entre eles oito do tipo F-22, indetectáveis em radares, assim como caças-bombardeiros F-15 e bombardeiros estratégicos B-52.
Coreia do Sul e Estados Unidos realizam regularmente exercícios militares conjuntos que sempre suscitaram a rejeição do regime de Pyongyang, que os considera uma ameaça e um teste para uma eventual invasão do norte.
(veja com Reuters e EFE)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.