8 candidatos e 1 segredo

William Waack, O Estado
de S.Paulo
De positivo, espectros políticos e ideológicos razoavelmente claros começam a ganhar contornos entre presidenciáveis
Participei como moderador no início desta semana de um evento com oito presidenciáveis que merecia o título cinematográfico de 8 candidatos e 1 segredo. Entre os que compareceram ao evento organizado pela Unica, a entidade que representa o setor sucroenergético (um dos mais importantes do agronegócio) estavam os de maior destaque nas pesquisas. Faltou alguém do PT, que insiste num encarcerado como seu candidato, e Alvaro Dias, que nas pesquisa tem pontuado no Sul, mas se atrapalhou com a agenda.
Como é que Jair Bolsonaro, Marina Silva, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin (além dos “menores” Henrique Meirelles, João Amoêdo, Aldo Rebelo e Paulo Rabello de Castro) pensam que vão governar? De forma mais ou menos explícita todos admitem que o próximo Congresso será bastante fracionado. E que é insustentável a trajetória da dívida pública, agravada pelos constantes déficits primários dos últimos seis anos. Como enfrentar o peso da dívida sem clara maioria política?
Quero destacar aqui não as questões táticas, hiperexploradas em manchetes de internet que, em geral, sobrevivem a poucas horas. Os oito que encontrei acham que a política tem de mudar, que o presidencialismo de coalizão está esgotado, que o número de partidos tem de diminuir urgentemente, que a reforma política tem de ser profunda e blá, blá, blá. São discursos quase intercambiáveis, tirando uma ênfase distinta aqui ou ali (e a desenvoltura dos políticos profissionais, notavelmente superiores em relação aos “amadores” ou “novatos” num ambiente fechado e controlado como era o desse evento).
Confrontados com a mesma pergunta – como vão agir, prevendo-se que serão minoritários no Congresso – saem-se dizendo que o impulso dos primeiros dias de governo ajuda a levar adiante reformas fundamentais (Alckmin), que o interesse comum por segurança e valores unirá bancadas hoje divididas ou inexistentes (Bolsonaro), que um projeto nacional desenvolvimentista abarcará vários espectros ideológicos (Ciro Gomes), que a candidatura dela é capaz de dotar o País do ideal de uma nação-comunidade que move montanhas (Marina Silva), que o reconhecimento de que mudanças são essenciais mobilizará deputados (Amoêdo). 
Fiquei pouco convencido. Não consigo enxergar ainda qualquer desses candidatos como lideranças abrangentes ou personalidades políticas capazes de moldar decisivamente acontecimentos políticos (admito que isso ainda pode mudar, mas o tempo corre rápido). Vejo-os relativamente pequenos diante do peso do desarranjo das finanças e da barafunda institucional (com a insegurança começando no STF), do desânimo e frustração do eleitorado, do desafio de conciliar a política velha e falida com a enorme onda difusa e raivosa pedindo mudanças. Combinado ao corporativismo e ao sindicalismo de toga, que estão se fortalecendo diante da geleia do fim deste atual governo.
O aspecto positivo que ressalto no evento do qual participei com esses oito presidenciáveis é o fato de que espectros políticos e ideológicos razoavelmente claros começam a ganhar contornos mesmo considerando as sentenças inacabadas que os candidatos pronunciam, ou os “sound bites” destinados a viralizar na internet. E, interessante para o processo eleitoral imediato, cada um está firmando um “conceito” associado à sua imagem como candidato. Alckmin “confiabilidade”, Marina “ideal”, Bolsonaro “segurança”, Ciro “nacionalismo”, Amoêdo “novo” para citar algumas “marcas” que transpareceram de forma mais óbvia nos discursos e respostas.
Não sei se esses oito que encontrei são donos do tal segredo que mencionei lá no comecinho deste texto. Acredito que não.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.