Mulheres gordas são musas de fotógrafa em conta no Instagram

A fotografia foi o jeito que Milena Paulina encontrou para se enxergar de forma positiva; agora, ela quer passar essa confiança para outras mulheres
Por Fonte: Delas.iG.com
A popularidade das redes sociais abriu diversas discussões sobre assuntos importantes ligados a corpos , padrões de beleza, pressão estética , gordofobia e muitos outros temas. É pelo Instagram que a paulistana Milena Paulina, de 23 anos, também busca por representatividade ao divulgar um projeto fotográfico que retrata mulheres gordas.
Divulgação/Milena Paulina
A fotógrafa paulistana Milena Paulina faz registros de mulheres gordas e de si para o projeto fotográfico "Eu, gorda"
Em entrevista ao Delas , Paulina conta que a fotografia chegou até ela "como um resgate para quem já havia desistido da salvação", principalmente porque não conseguia se enxergar entre as mulheres gordas. "Eu olhava meu corpo e não entendia nada sobre a existência dele. Acreditava que era inferior apenas por morar neste corpo, que era uma ofensa aos olhos dos outros, e que se eu pegasse uma tesoura e cortasse a flacidez do meu corpo tudo ficaria bem."
Então, ela viu um ensaio nu da modelo Jacqueline Jordão na internet. "Foi a primeira vez que eu vi um corpo gordo, semelhante ao meu, em forma de arte, e então eu soube que era aquilo que eu precisava: representatividade", relata. 
Assim, em 2016, nasceu o "Eu, gorda", um projeto fotográfico que busca construir representatividade para as muitas mulheres gordas que buscam isso, incluindo a própria Paulina. "Você se sentir representada — de uma forma humana e com muito amor, é claro — te faz se sentir 'normal', mesmo que o resto das pessoas tentem provar o contrário."
Segundo ela, este trabalho é algo extremamente pessoal. "É como um grito que sai do fundo da minha alma e que grita por mudança, por arte, por beleza e pela humanização do corpo gordo. Que grita basta, a todos os tipos de violações aos nossos corpos", detalha. 
O projeto 'Eu, gorda' e a representatividade das mulheres gordasDivulgação/Milena Paulina
O objetivo do projeto "Eu, gorda" é mostrar para as mulheres gordas que é possível ser representada e se sentir linda
A vontade de colocar esse projeto em prática veio, antes de tudo, do sentimento de Paulina em não se ver representada. "Eu, que sempre vi a fotografia como a arte mais fiel para contar a história de alguém, não achava pessoas que contassem histórias de mulheres gordas semelhantes a mim, e, quando achava, era uma foto entre 500 de mulheres totalmente 'dentro dos padrões aceitáveis', como se a mulher gorda fosse uma 'cota'", diz. 
Divulgação/Milena Paulina
"Quero passar essa mensagem de que é possível construir representatividade, que é possível se permitir, se redescobrir, se enxergar com mais amor, se conhecer melhor, se orgulhar de toda a sua história, se reunir com outras mulheres e ter a certeza de que não estamos sozinhas. Quero mostrar para todas as mulheres gordas quem elas realmente são, tudo o que podem fazer e ser e quanto um corpo gordo também é humano e o quanto ele pode brilhar."
Mais de 100 mulheres gordas já foram fotografadas para o projeto 'Eu, gorda'
Paulina conta que um dia de ensaio para o "Eu, gorda" é realizado de maneira coletiva, com até seis mulheres que escolheram participar do projeto como modelos.
Então, para deixá-las mais confortáveis umas com as outras e consigo mesmas, a fotógrafa faz uma roda de conversa antes das fotos. "Eu, que nunca tive uma amiga gorda, sei o quanto me fez falta conversar com alguém e me sentir compreendida e acolhida", relata. 
No final dessa conversa, os ensaios sempre refletem o resultado de toda essa conexão durante a roda de conversa.
"É uma responsabilidade. O que eu crio ali, com aquelas mulheres, pode levantar ou afundar todos os sentimentos que elas possuem. Sempre falo que estou ali para elas e que não há mais nada no mundo que eu ame mais ou veja além delas", afirma a fotógrafa. 
É essa confiança que faz com que as mulheres não tenham vergonha dos próprios corpos ao posarem nuas ou de lingerie. "Todas chegam apreensivas, algumas mais e outras menos. Todas nós, mulheres gordas, ouvimos constantemente que devemos nos cobrir ou nos esconder, e não é fácil ir contra tudo isso. Na roda de conversa eu falo o quanto eu estou orgulhosa de cada uma, apenas por elas estarem fazendo isso por si mesmas, por estarem resistindo." 
O empoderamento de mulheres gordas através da fotografiaDivulgação/Milena Paulina
Milena Paulina sempre reforça a beleza das mulheres gordas para que elas se sintam confortáveis no 'Eu, gorda'
A experiência das mulheres gordas ao se abrirem e exporem situações pessoais faz com que Paulina se torne um tipo de "confidente" em que elas possam confiar. "Uma das moças me contou sobre a relação difícil que ela teve/tem com a mãe. Um dia, enquanto ela ainda era adolescente, a mãe entrou no quarto dela e começou a rasgar todas as suas roupas, gritando: 'Nada te serve, você é uma gorda ridícula, eu não pedi pra ter uma filha como você!'".
"Histórias de relações abusivas entre familiares são as que mais ouço. O preconceito e a violência quase sempre começam dentro das nossas próprias casas, vindo das pessoas que mais amamos, e talvez essa seja a parte mais difícil de se enfrentar."
"Quando recebemos esse tipo de violência dentro da nossa própria casa, não fica só o sentimento de que deveríamos emagrecer, fica principalmente o de que não somos merecedores de amor, e que esse tipo de atitude é culpa nossa", comenta. "Nós precisamos tanto falar sobre como a representatividade muda tudo isso! O quanto essa mensagem de que merecemos, sim, receber amor, respeito e dignidade precisa ser levada para todas as pessoas."
Divulgação/Milena Paulina
Segundo Paulina, a sociedade está mudando e já é possível observar a inclusividade, mas os passos ainda são lentos. "Ainda vemos diariamente exemplos — muitas vezes vindo com máscara de 'piada' ou de 'cuidado com a saúde' – de que você pode ser o que quiser, menos gordo, pois 'ninguém gosta de quem é gordo'. Em todos os lugares presenciamos a gordofobia . O dia de uma pessoa gorda é rodeado de gordofobia."
No projeto 'Eu, gorda', Paulina busca representar mulheres gordas de forma humanizada e bela
Dessa forma, a roda de conversa e o ensaio fotográfico podem, aos poucos, começar a mudar essa percepção — primeiro da pessoa com ela mesma e, depois, da sociedade, que tem a oportunidade de enxergar beleza em corpos que não seguem determinados "padrões". 
"As pessoas gordas, por conta de toda nossa história, causos, traumas, vivências e pensamentos, já temos uma bagagem feita quando paramos para nos observar, nos ver em frente a um espelho ou até mesmo numa 'selfie'", diz. 
"Nós não enxergamos apenas uma imagem refletida, mas nos lembramos de todas as palavras duras e difíceis, de todas as vezes que nos fizeram acreditar que não somos suficientes ou boas o bastante, tudo isso carrega o nosso olhar."
Para ela, é compreensível que o primeiro passo que as modelos tenham não seja em modo automático. "Mesmo quando alguém tira uma foto nossa com carinho e amor, com um olhar puro, é difícil não sair caçando todos os 'defeitos' que acreditamos que temos."
"Mas, quando essa pessoa nos mostra realmente como somos e nos fala que merecemos, sim, nos enxergar da mesma forma, e não só isso, mas também nos sentir amados por nós mesmos, é um choque por passarmos tanto tempo sendo ensinados do contrário. Eu acredito muito que a construção da auto estima, e entender isso e ter paciência também é chave de tudo."
De acordo com Paulina, esse processo pela autoaceitação pode ser apenas uma parte do caminho, mas é bastante importante para a construção pessoal. "Precisamos passar por esse processo de autopermissão e de conhecimento não só por dentro, mas por fora também."
O resultado do projeto para a autoestima das mulheres gordas Divulgação/Milena Paulina
Segundo a fotógrafa, entender o plano de fundo da vida das mulheres gordas é algo essencial para a autoestima
A fotógrafa também relata que não achava que o "Eu, gorda" iria crescer tanto e tomar as proporções que tem hoje em dia. "Quando comecei, não esperava que ele se tornasse algo tão grande e incrível. Ou que milhares de pessoas me seguiriam no Instagram apenas para ver fotos de mulheres gordas e conhecer a história delas, acreditando na representatividade que eu busco construir."
"Já ouvi das modelos como toda a experiência mudou o jeito como ela sente a existência do próprio corpo, de como o toque na pele muda, de como você se sente como um ser vivo. Também recebo mensagens diárias de mulheres falando o quanto as minhas fotos as inspiram a se amarem mais, e se verem de uma maneira completamente diferente, a se permitirem ter sentimentos bons por si mesmas."
Paulina relata que se surpreende todos os dias em ver o quanto as pessoas precisam que essa mensagem positiva sobre amor próprio e autoconfiança seja sempre reforçada. "Essa é o meu maior aprendizado com esse projeto: a mensagem precisa ser passada para frente e estamos de alguma forma trabalhando para que ela cresça."
A resposta do público é o que está fazendo o "Eu, gorda" crescer. Durante um ano, o projeto aconteceu apenas em São Paulo e mais de 100 mulheres gordas já foram fotografadas, incluindo a própria Paulina. Porém, recentemente, ela decidiu expandir a ideia para registrar, além das mulheres, homens gordos e, também, visitar outros lugares no Brasil. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.