EFEITOS DO ATAQUE: Comandante do Exército diz que legitimidade do eleito pode ser questionada por rivais

General Villas Bôas diz que atentado a Bolsonaro leva dificuldades a próximo presidente
O general Eduardo Villas Bôas está no comando do Exército Brasileiro desde janeiro de 2015. Foto: EBC
O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, disse que o ataque ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) materializa o temor de que a governabilidade do próximo presidente possa ser afetada.
“O atentado confirma que estamos construindo dificuldades para que o novo governo tenha estabilidade, para a sua governabilidade, e podendo até mesmo ter sua legitimidade questionada,” disse o militar, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.
Villas Bôas exemplifica dizendo que uma eventual derrota de Bolsonaro poderia ser atribuída ao ataque que o tirou da campanha pelas próximas semanas. Ao mesmo tempo, ele pondera que a comoção gerada após o atentado poderia beneficiar o candidato na corrida presidencial.
O general também criticou o acirramento de ânimos no cenário eleitoral brasileiro. “E esse atentado, infelizmente, veio a confirmar essa intolerância generalizada e a nossa falta de capacidade de colocar acima dessas questões políticas, ideológicas e pessoais o interesse do país”.
“Espero que isso prevaleça e que a sociedade tenha levado um susto, do que pode acontecer diante dos caminhos que estamos trilhando. Espero que as coisas se harmonizem a partir de agora”, disse Villas Bôas.
A questão da estabilidade também foi levantada pelo militar quando questionado pelo jornal sobre as tentativas do PT de registrar a candidatura do ex-presidente Lula, baseadas em uma recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU -e criticada por ele.
“É uma tentativa de invasão da soberania nacional. Depende de nós permitir que ela [a candidatura] se confirme ou não. Isso é algo que nos preocupa, porque pode comprometer nossa estabilidade, as condições de governabilidade e de legitimidade do próximo governo.
O general, no entanto, descartou qualquer intervenção no país, dependendo do resultado eleitoral. “Não há hipótese de o Exército provocar uma quebra de ordem institucional”.
PT critica entrevista
As declarações de Villas Bôas não foram bem vistas pelo PT. Em nota, a Comissão Executiva Nacional do partido chamou a entrevista de “o mais grave episódio de insubordinação de uma comandante das Forças Armadas ao papel que lhes foi delimitado, pela vontade soberana do povo, na Constituição democrática de 1988”.
“É uma manifestação de caráter político, de quem pretende tutelar as instituições republicanas. No caso específico, o Poder Judiciário, que ainda examina recursos processuais legítimos em relação ao ex-presidente Lula”, diz trecho da nota. (Folhapress)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.