Morre aos 103 anos Herman Wouk, premiado autor de “The Caine Mutiny”

Herman Wouk espera, numa foto de 2006 em Nova York - Getty Images North America/AFP/Arquivos
AFP/istoé
O escritor americano Herman Wouk, famoso autor de romances sobre a Segunda Guerra Mundial e a vida dos judeus americanos, morreu nesta sexta-feira em sua residência em Palm Springs, na California, aos 103 anos, anunciou Joseph, filho do autor, através do Facebook.
“Meu adorado pai, Herman Wouk… 27 de maio de 1915 – 17 de maio de 2019”, postou Joseph Wouk junto a uma foto do pai, anunciando que começou a semana de luto segundo o judaísmo.
A imprensa dos Estados Unidos informou que o autor do famoso romance “The Caine mutiny” faleceu dormindo, dez dias antes de completar 104 anos.
Tomando como base sua experiência num navio militar no oceano Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial, escreveu “The Caine mutiny”, publicado em 1951 e baseado que lhe deu o prêmio Pulitzer.
Wouk se alistou na Marinha após o ataque a Pearl Harbor, participou de oito invasões e ganhou várias medalhas militares.
O romance foi levado aos palcos da Broadway, ao cinema com Humphrey Bogart como protagonista (o filme recebeu o título em português de “A nave da revolta”) e foi adaptado para TV em forma de minisérie dirigida por Robert Altman.
Após finalizar o livro, confessou à rádio pública NPR que escreveu em seu diário: “Se não me engano, é um bom livro. Mas ainda não é o livro de guerra que queria escrever”.
Continuou escrevendo sobre a guerra, e publicou dois ambiciosos romances com cerca de mil páginas cada um, “Ventos da guerra” (The winds of war), em 1971, e “War and remembrance”, em 1978, que em 1988-89 virou uma minissérie com Robert Mitchum.
Nascido em uma família de imigrantes judeus russos do Bronx, descreveu também sua experiência nessa comunidade no livro “Marjorie Morningstar” (1955), no qual conta a história de uma jovem em busca da fama no mundo dos espetáculos.
Esse romance lhe valeu uma capa na revista Time e virou filme homônimo estrelado por Natalie Wood e Gene Kelly.
Não era admirado pela crítica literária, mas isso não o impediu vender milhões de livros durante a carreira de 70 anos.
Em 2012, logo após lançar “The lawgiver” e quase centenário, disse ao jornal The New York Times que estava iniciando outro projeto. “O que vou fazer? Ficar sentado sem fazer nada durante un ano?”

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.